Futsal iratiense ganha representante na Chave Bronze - Jornal Iratiin

Recente

Home Top Ad

Post Top Ad

sábado, 8 de março de 2014

Futsal iratiense ganha representante na Chave Bronze

Associação da Prefeitura de Irati recebeu o lançamento do time de futsal Assifusa/Anila, na última quinta-feira (28).

Kaio Ribeiro

O coquetel de lançamento incluiu as escolinhas do projeto da Associação Iratiense de Futebol de Salão, e as equipes que vão disputar o campeonato paranaense da Chave Bronze.

@ Kaio Ribeiro


Futsal Profissional
O técnico Carlos Daniel Gonçalves de Oliveira, conhecido como Cajão, afirma que além de um projeto social, com jogadores que vão desde a categoria sub-7 até sub-17, a Assifusa agora também oferece uma oportunidade de profissionalização no esporte. “As crianças quando chegam naquela fase dos 17, que termina o ciclo delas na escolinha, precisam ter um objetivo lá na frente, e o objetivo pra quem joga futebol é ter uma equipe adulta para poder jogar, então nós vamos, a partir desse ano, colocar três equipes pra disputar campeonatos regionais e estaduais, sub-17, sub-20 e adulto,” diz.

O projeto foi apresentado por Cajão e sua equipe ao prefeito Odilon Burgath já no início de 2013, mas, como faltavam detalhes para estruturá-lo melhor, o pontapé inicial foi dado só em fevereiro de 2014. “Ano passado a gente já tinha o projeto, mas pela questão de datas e uma parceria que precisávamos com o poder público, com a prefeitura, por ser um trabalho inicial do prefeito Odilon, nós tivemos que dar uma segurada e estruturar melhor para lançar esse ano, com o apoio do empresariado da cidade, e o quadro de nossos sócios torcedores,” afirma o técnico, que também aproveitou a ausência do time de futebol de campo da cidade para popularizar o futsal. “O que a gente analisou também nesse espaço de tempo, foi que como o Irati futebol de campo saiu de cena, ficou um vácuo pra grandes eventos e para o próprio esporte, nós sabemos que o povo iratiense é um amante do futebol, independente se é de campo ou de salão, por isso que a gente já está começando o projeto com grandes apoiadores, porque o cidadão iratiense está sedento por alguma equipe pra que possa torcer e represente bem a cidade, e a nossa intenção é essa, estamos montando uma equipe competitiva que vai chegar até o final do campeonato, não posso garantir de ser campeão, mais é a nossa vontade,” explica o técnico.

O prefeito Odilon Burgath aprova a iniciativa, ressaltando que o cidadão iratiense esperava já por um time profissional para torcer. “Eu vejo como um grande momento de parceria do poder público auxiliando, como nós já fizemos desde 2013 na questão da subvenção das escolinhas, no apoio que nos mantivemos pra 2014, já nasce com sucesso uma equipe competitiva, que tem tudo para resgatar o orgulho dos iratienses em participar de uma competiçãoestadual, profissional, chave bronze, então os iratienses estavam ansiosos por isso, nós precisamos reunir as famílias, trazer a torcida pra incentivar os atletas,” diz.

Neto Moreira, jogador do Imbituva/Kadesh, afirma que o futebol de campo recebe mais incentivo que o futsal, portanto, ver um projeto assim nascer, é surpreendente. “Bom, os projetos existem, mas estou ficando até meio surpreendido com o que estou vendo aqui, o pessoal está realmente apoiando, vai ajudar muito na hora que a gente entrar na quadra, vamos realmente vestir a camisa da cidade,” diz o jogador.
Murilo Pacheco, jogador iratiense que já disputou a Chave Ouro, espera vitórias para o ano. “Espero que seja um ano bom, e espero vitórias porque Irati merece, mesmo sendo o campo principal, vamos tentar no futsal sermos os melhores,” diz.

Todos os jogadores do adulto são remunerados. Como explica Cajão, muitos têm família para sustentar, tem até emprego fixo, porém é preciso motivar esses atletas. “A gente gostaria de ter um recurso maior para valorizar esses atletas, pois eu sempre pensei que qualquer profissional se estiver motivado, vai fazer o seu melhor,” diz.
@ Kaio Ribeiro

Escolinha
A escolinha da Assifusa é um projeto social, e não é cobrada mensalidade dos participantes. Aproximadamente duzentas crianças participam dos treinos, das categorias sub-7, sub-9, sub-11, sub-13, sub-15 e sub-17.

Na última segunda-feira (03) os treinos tiveram novamente início,após um breve período de reformas na quadra do Parque Aquático, onde são feitos os treinamentos.

Segundo Cajão, é feito o acompanhamento escolar das crianças e cobrado um bom desempenho.  “Quando iniciamos, nós queríamos não só talentos no futebol, mas também formar cidadãos, e pra formar o cidadão tem que haver algumas regras, algumas cobranças,” diz.