Cinegrafistas amadores registram enchente em Irati - Jornal Iratiin

Recente

Home Top Ad

Post Top Ad

domingo, 8 de junho de 2014

Cinegrafistas amadores registram enchente em Irati

Imagens gravadas por cinegrafistas amadores no momento da enchente são impressionantes. Confira logo abaixo!

A cidade de Irati está embaixo d'água. Devido as fortes chuvas que caem na região desde quinta-feira, 5, vários pontos de alagamento já foram registrados na cidade. O bairro Canisianas, Vila Nova, Conjunto Joaquim Zarpellon e as BRs-153 e 277 estão interditados. Na rodovia, a água já chega a quase 2 metros.

@ Leticia Chaves

As pessoas que precisaram deixar suas residências estão sendo realojadas em escolas municipais. Os parentes e amigos dos familiares que estão sendo realojados podem buscar informações nos seguintes locais: Centro de Convivência da Vila Nova, Escola Pio XII  e Padre Wenceslau e prédio da Guarda Municipal. Segundo informações da Secretaria da Assistência Social, cerca de 500 famílias já foram desalojadas.
Segundo o secretário municipal de planejamento e coordenação, Valdecir Aksenen, esse já é a pior enchente vista pelos moradores de Irati, superando inclusive o período de chuvas de 1983.
Novos pontos de alagamento foram registrados. O centro da cidade e a Vila São Pedro foram uns dois mais atingidos. O Corpo de Bombeiros está tendo dificuldades para chegar em alguns pontos da cidade, devido à inundação do centro.

A Prefeitura de Irati deixa o alerta para os moradores ribeirinhos das seguintes localidades:
• Vila Nova
• Nhapindazal
• Choma
• Fragatas
• Loteamento Tucholka
• Fósforo
• Rio Bonito
• Vila são João
• Riozinho
• Engenheiro Gutierrez
• Pedreira
• DER
• Floresta
• Santa Fé
• Dallegrave
• Lagoa
• e ruas entre a Colina Nossa Senhora das Graças e Alfredo Bufren, centro da cidade.
Caso a água continue a subir, os moradores devem deixar suas residências e entrar em contato com o Corpo de Bombeiros através do 193 ou com a Guarda Municipal através do 153.
Texto e fotos: Kyene Becker, Sérgio Popoaski e Zilma Schindler/Jornal Hoje Centro Sul