Derbli liberou, mas Diocese ainda proíbe missas presenciais - Jornal Iratiin

Recente

Home Top Ad

Post Top Ad

quinta-feira, 23 de abril de 2020

Derbli liberou, mas Diocese ainda proíbe missas presenciais


Recentemente, a Prefeitura de Irati - Paraná publicou um vídeo em sua página oficial no Facebook, no qual o prefeito Jorge Derbli anunciou no Gabinete a possibilidade de retorno das atividades religiosas no município. Apesar desta permissão em nível municipal, a Diocese de Ponta Grossa, em sua última nota publicada e segundo informações repassadas ao Jornal Iratiin por telefone, anuncia que seguem proibidos cultos e missas presenciais. 

A entidade também reforça que, mesmo que o Governo do Estado tenha esclarecido, via decreto, que as atividades religiosas estão permitidas no Paraná - desde que realizadas por meio de aconselhamento individual - ainda seguem proibidos cultos e missas presenciais. O bispo Dom Sérgio Arthur Braschi reitera que a orientação segue a mesma na Diocese de Ponta Grossa. A determinação é para que não aconteçam reuniões, missas e nem outras funções com participação de pessoas. “As igrejas das paróquias estão abertas, limpas e arejadas para quem quiser ir rezar sozinho. Mas, insisto que você, que é idoso ou que pertence ao grupo de risco, não vá a igreja”, comenta dom Sergio.

Dom Sergio justifica o pedido:

“Reze em casa, pela Rádio Sant’Ana, pelas tvs católicas. Mande alguém mais jovem ao mercado, à farmácia. Você, fique em casa! É o que estou fazendo, porque pertenço ao grupo de risco. Na última semana, por exemplo, só saí uma vez, para tomar a vacina contra a gripe”, contou, ressaltando que está bem de saúde, ainda que em isolamento em casa, rezando por todas as pessoas da Diocese. “Sobretudo os profissionais da saúde, médicos, enfermeiros, religiosos, especialmente os que estão contaminados, hospitalizados ou em casa”, acrescenta o bispo.

*Observação: três dias depois desta matéria, a Diocese liberou missas, más com público moderado e normas. Porém no dia de hoje 30/04/2020, ela voltou a proibir eventos e missas com público presente.