‘Ó abre alas, que eu quero passar...’ - Jornal Iratiin

Recente

Home Top Ad

Post Top Ad

sábado, 14 de fevereiro de 2015

‘Ó abre alas, que eu quero passar...’

História do Carnaval em Irati foi marcada pela rivalidade entre os blocos e por festas que chegavam a reunir quase 2 mil pessoas em um único salão

A origem da festa do Carnaval ainda é desconhecida. Segundo dados, acredita-se que o Carnaval começou na Grécia, em meados de 600 a 520 a.C, onde os camponeses realizavam cultos em agradecimento aos deuses pela fertilidade do solo e pela boa produção da safra.

Acervo Casa da Cultura
A história do Carnaval no município de Irati é um pouco mais recente. Segundo informações da revista ‘Teu nome é teatro’, do historiador José Maria Orreda, o primeiro baile à fantasia da cidade foi realizado em 1913, no Clube Amantes da Prosperidade, na Rua Velha – atual Rua XV de Julho.
Naquela época, os tradicionais blocos já faziam sucesso, como foi o caso do bloco ‘Vida Apertada’, de 1927, e o bloco ‘Chico Fumaça & Marcolina’, de 1936.

Segundo relatos da revista histórica  elaborada por José Maria Orreda, as festas costumavam ser animadas, com desfiles de carros e caminhões enfeitados e muita movimentação nas ruas.
O corso carnavalesco – um tipo de agremiação que promovia desfiles, utilizando carros enfeitados, com foliões fantasiados, serpentina e confete – foi o grande astro do Carnaval iratiense por muitos anos, até a chegada dos tradicionais e elegantes bailes, que aconteciam nos clubes da cidade.
Os bailes em clubes e associações de Irati fizeram sucesso até o ano de 2005, quando o Carnaval de
Rua começou a atrair grande público.

O aposentado e ex-músico, Helio Augusto Salmon, conta que os bailes chegavam a reunir até 2 mil pessoas no mesmo salão e as festas eram animadas e regadas à sambas e marchinhas.
“Eu comecei a participar do Carnaval em 1967, quando eu tinha 20 anos. As festas eram nos clubes da cidade e todo mundo pulava e cantava as marchinhas e os sambas da época. Às vezes, já era 7h e os clubes ainda estavam lotados. Você só parava quando via o sol amanhecer dentro do clube”,
ressalta.

Ele ainda relata que o Carnaval de Irati foi considerado, por muito tempo, como a melhor festa da região, atraindo turistas de várias cidades.

“Tinha um Carnaval, em Antonina, que era parecido com o daqui, mas o pessoal ainda preferia vir para Irati. Vinha gente de Curitiba, Ponta Grossa e Guarapuava, gente de todo o lado. Naquela época, eles investiam nas fantasias e pulavam o Carnaval em Irati”, diz.

Antigamente, o Carnaval iratiense contava com muitos blocos, que competiam entre si pela melhor premiação. Helio destaca que a rivalidade entre os grupos era grande e as fantasias eram sempre criativas.

“Teve um ano, quando surgiu o filme Star Wars, que um bloco se fantasiou igual os atores do filme e foi competir. Tinha até aqueles acessórios que saíam fogo, foi um sucesso. A premiação para o melhor bloco era bem grande o pessoal tinha gosto em participar. A rivalidade era grande, o negócio era competir e vencer os outros. Às vezes, até acontecia alguma briga entre os grupos, mas tudo era resolvido rapidamente, pois estávamos lá para nos divertir”.

O aposentado e ex-músico relata as lembranças com saudade e afirma que as festas de hoje perderam a essência dos carnavais tradicionais.

“Antes, a escolha do rei e da rainha era um acontecimento, todos se mobilizavam para participar e divulgar e tinham muitos concorrentes. Hoje em dia, eu não costumo participar das festas, porque não tem graça. As músicas não combinam. Eu gostava das marchinhas e do samba, o que representava o Carnaval. A cultura do Carnaval se perdeu. Se fizerem alguma festa dentro de um clube, o pessoal não entra, fica fora do salão, bebendo e com o som do carro no último volume”, lamenta.
Para Helio, resta a saudade e o desejo de que a tradição dos antigos carnavais seja resgatada.
“Eu queria que essa coisa do Carnaval de antigamente retornasse, porque faz falta. Eu sempre digo que o Carnaval é uma coisa brasileira, é uma coisa nossa. O brasileiro tem a alegria e o samba no pé que a festa precisa pra existir. É diferente de todos os outros países. Não podemos perder essa cultura, que, aos poucos, está desaparecendo”, finaliza.

Em 2013, a Secretaria de Cultura de Irati retomou um pouco da tradição, com o Corso Carnavalesco e tem incentivado grupos de música, baterias.

Entretanto, conseguir que o mesmo ânimo de antigamente retorne, é tarefa difícil ou quase impossível.


Kyene Becker/Hoje Centro Sul