Cães morrem em canil com condições precárias em Rebouças - Jornal Iratiin

Recente

Home Top Ad

Post Top Ad

sábado, 7 de fevereiro de 2015

Cães morrem em canil com condições precárias em Rebouças

Segundo voluntários do grupo “Defensores dos de Quatro Patas”, os animais estão vivendo em condições precárias e cerca de 30 cães já  morreram. Ministério Público investiga o caso.

Divulgação

Uma situação vem causando revolta em Ongs de proteção aos animais e em muitos moradores de Rebouças. Um canil improvisado, dentro de um pátio da prefeitura, está atendendo cães abandonados em condições precárias, segundo informações de moradores. Eles alegam que cerca de 30 animais já morreram devido a brigas com outros cachorros dentro do canil e doenças infectocontagiosas.
O voluntário do grupo “Defensores dos de Quatro Patas”, Ilário Juawski, relata que o problema teve início quando uma moradora de Rebouças começou a abrigar os animais abandonados em sua casa, no centro do município. “Ela recolhia todos os animais que apareciam na rua e os vizinhos começaram a reclamar do barulho e do cheiro. Então, o Ministério Público pediu para a prefeitura arrumar um lugar para alocar os animais”, diz. Segundo o Ministério Público de Rebouças, em 2013, a Vigilância Sanitária encaminhou à Câmara de Vereadores do município uma recomendação para que a situação fosse resolvida.

Tentando solucionar o problema, o Ministério Público de Rebouças, através do Inquérito Civil nº MPPR – 0119.13.000101-7, no dia 17/09/2014, solicitou que o município fornecesse uma área para alocar os animais e proporcionasse estrutura mínima para convívio dos cães. Segundo o documento, um pátio na zona rural foi cedido, porém, sem a adequada estrutura.

Como nenhuma providência foi tomada, em outubro de 2014, o Ministério Público de Rebouças entrou com uma ação judicial contra o município, afirmando no documento que “[...] é clara a falta de interesse do município em construir centro para acolher e tratar animais de pequeno, médio e grande porte. Tal ausência de interesse de agir se estende, também, para a criação e implementação de programa de orientação e destinação destes animais à adoção, e, ainda, programa de conscientização à população sobre os reflexos causados no abandono de animais”.

Segundo o grupo “Defensores dos de Quatro Patas”, uma pessoa foi contratada para cuidar do local e construir a estrutura necessária, porém, permaneceu no cargo apenas 30 dias. “Eles até colocaram uma pessoa pra trabalhar lá, só que ele só permaneceu 30 dias. Ele nos falou que não aguentou mais, porque sempre que chegava lá, era mal tratado. Além disso, ele nos contou que não recebeu pelo trabalho que realizou”, diz Ilário Juawski.

Ainda segundo os voluntários, o grupo se ofereceu para prestar assistência aos animais, mas foi impedido pela moradora que cuida dos cães. “Ela alegou que aquilo era propriedade privada e não nos deixou ajudar. A prefeitura disse que podíamos ajudar e solicitou que procurássemos novos lares para os cães. Quando conseguimos doar um dos animais, a moradora nos acusou de roubo, sendo que depois da doação, descobrimos que o cão tinha dona e que estava o procurando há 3 meses”, completa.

O Ministério Público de Rebouças também destacou que solicitou um laudo sobre as condições dos animais após a transferência de local. Segundo eles, o laudo apresentado afirmava que não havia irregularidades no canil. Entretanto, o Ministério Público recebeu denúncias posteriores e constatou que, além da perícia ter sido realizada pelo médico veterinário da Prefeitura, as condições do local eram precárias. Sendo assim, solicitou em janeiro de 2015, a perícia de outro profissional e, até o momento, não obteve uma resposta.

O grupo “Defensores dos de Quatro Patas” ressalta que contratou um veterinário particular para realizar um laudo, onde constatou as irregularidades. O documento aponta, dentre elas, “infraestrutura precária, os animais não recebem água de boa qualidade e os alimentos estão em quantidade insuficiente, falta de limpeza sanitária, doenças transmissíveis, falta de vacinação e medicamentos vencidos e, alguns, sem lacres”.

Os voluntários contam que esperam uma solução para o problema, pois os animais precisam de ajuda. “Não estamos aceitando ver essa situação. Pensamos que, quando a mudança de local foi feita, outras mudanças viriam para o bem. Mas, até o momento, a única coisa que mudou foi a morte dos quase 30 cães. Eles precisam tomar uma atitude urgente”.

O Ministério Público de Rebouças informou que enviou uma solicitação à prefeitura do município, pedindo para que regularize a situação do canil. Porém, até o momento, não recebeu a confirmação de entrega do documento. Lembrando que não é de hoje que o prefeito Claudemir dos Santos Herthel trata com descado o Ministério Público. A equipe do Jornal Hoje Centro Sul entrou em contato com a chefia de gabinete da Prefeitura Municipal de Rebouças para fazer uma entrevista com o prefeito Claudemir dos Santos Herthel (PSDB) e obter informações quanto ao posicionamento oficial do município sobre o caso.  Segundo o chefe de gabinete, o prefeito não teria tempo para conceder a entrevista até o fechamento desta edição.



Kyene Becker/Hoje Centro Sul