Estiagem pode atrasar colheita na região - Jornal Iratiin

Recente

Home Top Ad

Post Top Ad

domingo, 26 de outubro de 2014

Estiagem pode atrasar colheita na região

Municípios da região Centro Sul tiveram uma estiagem que durou 17 dias.  O período, além de baixa umidade, teve temperaturas elevadas em relação ao cotidiano da região, chegando a atingir faixas acima dos 34°C. Para alguns tipos de cultura, esse período de seca pode afetar a produtividade ou mesmo a germinação.

Arquivo Hoje Centro Sul
Segundo o gerente local da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), Walter Coelho,  alguns agricultores podem ter uma pequena perda na produção, pois os níveis de umidade do solo, há duas semanas, pareciam adequados para a germinação, mas a seca dos últimos 15 dias pode paralisar o crescimento da planta e atrasar a colheita da produção. Durante a estiagem, a orientação dada pela Emater aos produtores foi aguardar a chuva para fazer o plantio.

 A falta de chuva aliada a altas temperaturas pode ser um perigo tanto para o plantio como para as culturas já em formação, que têm o risco de sofrer de insuficiência de proteínas, conforme explica o  engenheiro agrônomo da Associação de Fumicultores do Brasil (Afubra), João Paulo Perussolo.  “A alta temperatura pode proporcionar um atraso no desenvolvimento da planta, deixando ela em paralisia. Mas é importante entender que o excesso de chuva também é prejudicial para a germinação, um dos problemas que podem acarretar é o acamamento que leva a uma queda na produtividade”, comenta. O acamamento é quando o caule da planta deita sobre o solo em decorrência da alta umidade.

Alguns produtores, dependendo da cultura, optam por usar da irrigação como alternativa. Produtores de batata e cebola da região usam desta técnica para a germinação e maturação das plantas. No entanto, em áreas extensas de plantio de soja e trigo, ou em plantações de fumo, há  dificuldade nessa forma de manejo. O caso da soja, que corresponde a 59% da área destinada à agricultura na região, com aproximadamente 154.000 ha., é um exemplo. Devido às grandes áreas cultivadas, a irrigação é pouco utilizada. Então, as condições climáticas e a administração do solo são os principais fatores que influenciam no plantio.

O núcleo regional da  Secretaria de Abastecimento e Agricultura (SEAB) em Irati analisa que o percentual de chuva para o período de junho/2013 comparado ao volume de junho /2014, teve um aumento de 12%. No entanto, uma pesquisa realizada pelo Departamento de Economia Rural ao comparar o mês de julho/2014 ao mês de julho/2013 constatou uma queda na precipitação de chuva de 60%.

Adriana Baumel,  engenheira agrônoma da SEAB de Irati lembra que não é possível dizer se esse breve período de seca afetará na produção ou no preço dos produtos com plantio nesses meses, como trigo, soja, batata ou mesmo o tabaco.

Ainda não há previsão quanto aos efeitos das condições climáticas na economia da região, apesar da expectativa de atraso na colheita de cereais, leguminosas e fumo.
“A única previsão é que ocorra um atraso nessa safra, mas não há indicativos de que pode ocorrer perda na produtividade”, comenta João Paulo. Segundo Walter Coelho,  a expectativa é  de que possa acontecer recuperação da colheita em algumas culturas da região,  principalmente o fumo e a soja.

Chuva em excesso também é prejudicial

Para especialistas, a dificuldade maior para algumas culturas nem sempre é a seca, mas as altas umidades, as chuvas intensas e até mesmo  as enchentes.

Nesses casos a água em excesso no solo pode ser prejudicial para o "arranque da germinação", a energia necessária para o desenvolvimento da planta nos primeiros dias de cultivo. Também há o risco de ocorrer um encharcamento da raiz e com isso inibir o desenvolvimento da planta.

Gildo Silva