O Comandante da 8ª Companhia de Polícia Militar, o Major Renato presta esclarecimentos em relação a Juziel - Jornal Iratiin

Recente

Home Top Ad

Post Top Ad

segunda-feira, 31 de março de 2014

O Comandante da 8ª Companhia de Polícia Militar, o Major Renato presta esclarecimentos em relação a Juziel

NOTA A IMPRENSA


          O Comandante da 8ª Companhia de Polícia Militar, o Major Renato dos Santos Taborda, vem prestar alguns esclarecimentos a toda comunidade, em relação ao crime ocorrido, que vitimou o Jovem Juziel Marcos Remes de Andrade.
         
         Que através dos meios de comunicação de nossa cidade, foram divulgados relatos da genitora de Juziel, a Senhora Marliceia, onde fala:
1.     “que não recebeu apoio do órgãos que procurou para informar que seu filho havia sumido “ se fosse um filho de rico some, todos ficam atrás. Por ser filho de pobre desaparece ninguém da bola, querem esperar” (Jornal Folha de Irati de 28 Mar 14.)
2.    “liguei para a polícia e a pessoa que me atendeu disse que a responsabilidade e a culpa era minha, que se meu filho tinha saído de casa e não tinha voltado e se foi para a danceteria, como era menor a culpa era minha”, reclamou. (Radio Najuá Site) 
3.    “Fiquei perdida, porque eu praticamente não tive ajuda. Não tive ajuda de Conselho [Tutelar], não tive ajuda da Polícia”, atribui a mãe, que afirmou que buscou auxílio também junto à Guarda Municipal para que se fizessem buscas. (Rádio Najuá Site)
4.    A mãe de Juziel comentou que, em torno de 22h30 de sábado, ele, um amigo e um primo foram até o centro para irem à casa noturna. “Peguei o celular e olhei que eram 5h, comecei a ligar no celular dele para falar a ele que se estivesse saindo e vindo que era para se comportar ou pegar uma carona e vir direto embora. Comecei a ligar até umas 5h30 ou 6h e o telefone dele chamou. Chamava, chamava, chamava e caía na caixa postal”, disse. (Rádio Najuá Site)         

             O Major esclarece que todos entendem a questão emocional da mãe que qualquer ser humano não teria comportamento diferente neste caso, na busca da solução do desaparecimento de um filho, no entanto, temos que deixar claro para a comunidade, que não haja dúvida sobre a atuação da nossa Polícia Militar:

1.    A Senhora Marlicéia, somente procurou a Polícia Militar na sede da 8ª CIPM no horário do almoço próximo das 13h, de domingo, que foi atendida pelo Soldado Adauto plantão do COPOM, que ouviu o relato da mãe, passou orientações relativa ao caso como proceder, onde, todas as equipes foram cientificadas do desaparecimento. Que o policial chegou a citar a responsabilidade da mãe dos cuidados sobre filho, mas não deixou de fazer a sua obrigação sobre o caso.
2.    Que no período noturno, o Cabo Gonçalves reforçou a todas as equipes o desaparecimento, repassando o retrato do jovem Juziel fornecido pela mãe, sendo feito o registro e informe a todos os Policiais Militares, bem como as buscas, foi constado no relatório à imprensa que sempre divulgado é divulgado no dia seguinte, neste caso na segunda-feira dia em que o corpo do jovem foi achado.

              Explicamos, após constatado o homicídio, achado o corpo de Juziel, todos nossos esforços foram realizados, fato este que conseguimos desvendar o assassinato e prender os possíveis autores.
              Entendemos o estado emocional, mas não poderíamos deixar de nos pronunciar diante das colocações que envolvem nossa instituição, prezamos pelo trabalho sério e dedicado, temos excelentes policiais empenhados, realizamos excelentes serviços a nossa comunidade, se houvesse falha seria o primeiro a tomar as medidas saneadoras, para tanto, temos que relatar, que devemos todos fazer a sua parte, os pais que se antecipem aos problemas, verifiquem se seus filhos podem freqüentar determinados lugares, com quem andam (neste caso Juziel saiu com um amigo e primo como cita a mãe ), na dúvida procurem se informar, se desloquem até os estabelecimentos para verem como seus filhos estão se portando, chamem a polícia ou qualquer órgão responsável para tomar as medidas, não esperemos que ocorram fatos com este para começarmos a mudar.
              Não estamos eximindo a responsabilidade de ninguém, no entanto, é justo se esclarecer, quanto as casas noturnas está se formatando nova portaria, esta que em breve entrará em vigência, tanto a Polícia Militar e outros órgãos já fiscalizam mesmo com a portaria anterior, mas precisamos de toda a comunidade para fiscalizar, pois não podemos estar em todos os lugares ao mesmo tempo.
             Como comandante, gostaríamos de ver outras manifestações democráticas, mas de forma antecipada, não somente quando os fatos ruins já ocorreram, exigindo em todos os aspectos melhorias para nossa cidade em todos os setores, uma participação efetiva da cidade na busca de soluções, nos conselhos diversos existente em nossa cidade, na câmara de vereadores, nas redes sociais debatendo, quando nossos representantes púbicos vêm em nossa cidade, participar, o que vemos hoje, falta de participação popular, somente cobranças, pouco apoio e a busca de um culpado  para o problema instalado, isso tem que mudar.

                                                      Atenciosamente;               
  

                             Irati, Pr, 31 de março de 2014.            

  
 Maj. QOPM Renato dos Santos Taborda,
 Cmt  8ª CIPM/4ºCRPM.




 *O jornal Hoje Centro Sul reproduziu integralmente a presente nota e não representa necessariamente a opinião do jornal. 
O texto é responsabilidade de seus autores, que não possuem vínculos empregatícios com o jornal.