TV Digital: realidade ainda distante na região - Jornal Iratiin

Recente

Home Top Ad

Post Top Ad

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

TV Digital: realidade ainda distante na região

Somente parte de Imbituva e a cidade de Teixeira Soares captam sinal digital de apenas uma emissora


Centro Sul - Apenas duas cidades da região Centro-Sul contam com a oferta de sinal digital de TV - e de somente uma emissora - até o momento. A RPCTV, afiliada da Rede Globo,concluiu em dezembro de 2012, com o lançamento da TV digital na região noroeste, a implantação da tecnologia nas chamadas "praças", ou seja, nas cidades onde há uma emissora da rede. As cidades do entorno também são beneficiadas com essas novidades, que já atinge a 54% dos lares paranaenses, em 89 municípios.
Entretanto, a cobertura de TV digital da RPC alcança somente dois municípios do Centro-Sul: Imbituva, com cobertura parcial, e Teixeira Soares. Ainda assim, a RPCTV já é a emissora afiliada à Globo com maior cobertura digital em todo o Brasil. Sidnei Scherer, do setor de engenharia da TV Esplanada, explica que esse sinal chega até as duas cidades devido ao seu posicionamento geográfico próximo à torre de transmissão, que fica no centro de Ponta Grossa, e pela altitude dessas cidades.
Concluída a etapa de implantação nas oito geradoras de sinal, a partir de 2013 o esforço para estender a tecnologia deve se concentrar nas retransmissoras. Segundo o engenheiro Marco Antonio Martins, responsável pela Engenharia de Telecomunicações da RPC em Curitiba, a emissora já realiza grandes investimentos para expandir a cobertura de TV digital no estado e, ainda neste ano, diversas outras cidades serão contempladas. Porém, a divulgação será realizada somente na etapa final desse processo de implantação.
Martins explica que, entre as principais vantagens do sinal digital, além da qualidade superior em imagem e som - que passam a ser de alta definição, há o adicional de mobilidade. "Com o sinal digital é possível receber em movimento, em telefones celulares e diversos outros aparelhos (smartphones, laptops, palmtops e tablets). Além das inúmeras vantagens de qualidade, o sinal de TV digital brasileiro é gratuito", acrescenta Martins.
Quem mora nos locais onde o sinal digital já é oferecido e onde, brevemente, deve passar a ser, para poder desfrutar dos benefícios dessa nova tecnologia, precisa captar o sinal digital por uma antena UHF e levá-lo ao televisor digital. Modelos mais recentes já possuem o conversor (DTV) integrado ao monitor. Aparelhos sem esse conversor podem ser adaptados com o conversor de sinal digital, conhecido como set-top-box ou decodificador digital.
O sinal digital pode ser captado nessas duas cidades sintonizando o canal 7.1. O analógico continua sendo transmitido pelo canal 7, nas cidades cobertas pela TV Esplanada, que abrange parte do Centro-Sul. As cidades que são cobertas pela emissora de Guarapuava, como é o caso de Irati, ainda não dispõem da tecnologia. O sinal será ofertado, futuramente, sintonizando-se o canal 2.1.
Outras emissoras ainda não disponibilizam o sinal digital no interior do estado também. A Rede Massa, por exemplo, que inaugurou em junho do ano passado a TV Guará, em Ponta Grossa, e abrange a nossa região, ainda opera somente com sinal analógico. Band e RICTV (Record) também disponibilizam o sinal digital somente em Curitiba.
A migração da transmissão analógica para a digital vem ocorrendo aos poucos desde 2007, quando foi lançada na Grande São Paulo. O Brasil desenvolveu um sistema próprio para a transmissão de sinal de TV digital e, por isso, produtos importados podem ser incompatíveis e o sinal não funcionar. Enquanto isso, o sinal analógico permanece simultaneamente no ar. O decreto federal 5.280 (de 29 de junho de 2006), afirma que a transmissão analógica só deve deixar de existir a partir de 29 de junho de 2016. Segundo o engenheiro de telecomunicações da RPC, nessa data começa o desligamento do sinal analógico nas grandes cidades, mas o cronograma oficial dessa desativação ainda não foi completamente definida pelo governo.
A transmissão é gratuita, mas é necessário investir em equipamento para a recepção. O gasto varia conforme a qualidade desejada. Um conversor de sinal digital custa entre R$ 299 e R$ 1,2 mil. Se preferir imagens em alta definição (full HD), o investimento pode variar entre R$ 1,5 mil a R$ 6 mil. O receptor integrado ao televisor eleva de 10% a 15% o preço das TVs em relação aos modelos equivalentes sem o dispositivo. Aos poucos, o preço deve cair.
A população pode acompanhar mais informações sobre o processo de expansão da TV digital da RPC através do site: http://redeglobo.globo.com/rpctv/tvdigitalrpc/. Outros canais para se informar são a Central de Relacionamento com o cliente (CRC), pelo e-mail atendimento@rpctv.com.br ou pelo telefone (41) 3321-5777, de segunda a sexta, das 7h às 21h. Aos sábados, domingos e feriados, o atendimento ocorre das 8h às 20h.


 

Texto: Edilson Kernicki, da Redação


Publicado na edição 658, 13 de fevereiro de 2013.