Apontada por duplo homicídio diz ter agido em legítima defesa - Jornal Iratiin

Recente

Home Top Ad

Post Top Ad

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Apontada por duplo homicídio diz ter agido em legítima defesa

Ipiranga – A partir de uma ligação anônima, a equipe policial militar de Ipiranga foi deslocada até a Rua Josefa Vieira, no conjunto habitacional Ulisses Guimarães, onde uma troca de tiros teria atingido duas pessoas. O caso foi notificado às 21h15 de sexta (15). Ao chegar ao local, a PM se deparou com dois mortos: Marcos Aurélio de Almeida, 29 anos, e José Valdecir Nunes, 38 anos, um com um tiro na cabeça e outro na região torácica.

Conforme as investigações da Polícia Civil de Ipiranga, os mortos vieram de Ponta Grossa, acompanhados de um adolescente de 16 anos, para cobrar uma dívida: o casal teria vendido duas caminhonetes pelo valor de R$ 5 mil e os veículos não teriam sido entregues ao trio.

A principal suspeita, Jamila Camargo, se apresentou à polícia na segunda (18), acompanhada do advogado, e alegou que agiu em legítima defesa porque acreditava que ela e seu marido seriam vítimas de sequestro.

Um homem de 27 anos, que passava pelo local com um bebê no colo, foi vítima de uma bala perdida. O bebê foi internado na Santa Casa de Misericórdia, em Ponta Grossa e, depois, transferido para o Hospital do Trabalhador. Seu quadro clínico é instável e inspira cuidados.

Enquanto isso, o marido da suspeita e o adolescente entraram em luta corporal. A briga foi encerrada apenas quando um policial rodoviário interveio.

Luiz Augusto Ferraz Neves, marido da suspeita, foi preso em flagrante pela PM, por tentativa de homicídio, e levado até o presídio Hildebrando de Souza (Ponta Grossa). Jamila escapou do flagrante e, ao se apresentar à polícia na segunda (18), prestou depoimento e foi liberada, pois não havia mandado de prisão preventiva contra ela.

De acordo com a reportagem do Diário dos Campos, sete projéteis foram encontrados no local: seis oriundos de disparos da arma de pertenceria ao marido da suspeita e o sétimo seria da arma usada pelas vítimas para intimidar os suspeitos.

Texto: Da Redação, com informações da PM e Najuá


Publicado na edição 659, de 20 de fevereiro de 2013