A Nova Gestão Municipal em Irati - Jornal Iratiin

Recente

Home Top Ad

Post Top Ad

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

A Nova Gestão Municipal em Irati

O novo prefeito municipal de Irati, Odilon Burgath, afirmou em sua posse, que a eleição de um servidor público e um agricultor não é obra do acaso, revela a vontade do povo em apoiar aqueles que se preocupam em assegurar o crescimento do município, principalmente em qualidade de vida. E acentuou a prioridade de investimentos consistentes em educação, saúde, agricultura, geração de empregos e segurança; além da atenção à integração regional. E mencionou o propósito de fazer a melhor gestão da história. Renato Berger, vice prefeito, disse que "essa vitória minha e do Odilon não é nossa. É do povo de Irati".
A democracia representativa, não raro se revela sem representação alguma e vira ditadura. O povo elege e os absurdos acontecem sem nenhuma voz que os denuncie. Ninguém reclama, em especial quem de direito exerce funções ou mandato para tanto. Se alguém protesta é proclamado subversivo. Porém, às vezes o povo, que é soberano, assume a sua autonomia, altivez e coragem, qualidades que lhe são próprias, e quebra a lógica da eleição, as minorias tornam-se maiorias, derrotam a economia e as alianças de domínio do voto. E vence quem realmente, na conjuntura da hora, identifica-se com os urgentes, gerais e amplos anseios da comunidade. Se o povo sabe, vê, pensa e quer, o povo vence. Não há democracia sem sabedoria.
Eliminar a pobreza e garantir igualdade de oportunidades, ações mediadas pela educação, eis uma diretriz do governo federal. Sim, sem economia em crescimento nada será sustentável. Um governo é espaço não só de cidadãos, mas ainda de contraventores, como a memória recente e o passado registram. Mas, com todas as imperfeições e desacertos, desde 2003 as gestões federais foram de conquistas sociais relevantes e abundantes, e continuam sendo as mais significativas e expressivas da história da República, crédito ao Partido dos Trabalhadores. E agora o governo municipal em Irati, talvez contribuição dessa realidade, pertence ao PT, isto é, ao povo.
A melhor gestão da história em Irati não será aquela de tanta engenharia física, mas, como deseja o Prefeito, principalmente, abundante de engenharia humana, pela qualidade de vida, investimentos significativos em setores sociais que mais precisarem, o que significa respeito aos ensinamentos cristãos. Uma gestão sem exclusões, com ações diretas e indiretas na melhoria do IDH, Índice de Desenvolvimento Humano. Esse caminho, sim, levará a melhor gestão da história. Uma gestão cidadã, fato raro, será aquela que, sendo cidadã, esteja empenhada em promover a cidadania, mobilizar a participação de todos os munícipes para a qualidade de vida dos munícipes todos. Pois sim, o fortalecimento da integração regional, com sonhos e ações comuns.
O novo momento do PT em Irati começou vencendo a intolerância, grande flagelo da política nacional. Que irracionalidade é essa? Os partidos ou os políticos se anulam, isto é, as oposições, seja esta ou aquela, se empenham para que o circo esteja em chamas. Incapazes de conviver com civilidade, o ódio preside a cena de tragédia na desarmonia nacional. Os desentendimentos paralisam e impedem a modernidade. E o que fez o Prefeito Odilon na escolha do seu primeiro secretário, o da saúde? Indicou o coordenador de campanha eleitoral adversária. Sem amplo arco de aliança eleitoral, ficou livre para não promover a barganha de cargos e escolheu sua equipe entre técnicos e servidores, renovando integralmente o quadro de chefias da administração municipal. Uma inovação que merece registro. Um anseio da consciência popular que conquistou a hegemonia.
Senhores e senhoras, jovens ouvintes de casa e do auditório! Jamais será possível a consagração de uma gestão pública sem que ela se dedique ao cultivo do campo da honra, o que exige caráter, honestidade e respeito ao contribuinte. Não há cânone cívico sem civismo pleno. D. Pedro I, o herói da Independência, que havia renunciado ao trono de Portugal, abdicou ao trono do Império do Brasil, em abril de 1831, para não se curvar diante de exigências da revolução liberal, em respeito a sua honra. Colocou a honra acima das delícias do poder. A honra que é virtude meio antiga, quase esquecida e considerada no abismo das irreverências burguesas como fraqueza e pura ingenuidade.
Parabéns ao povo de Irati pelo seu novo governo. Com respeito ao povo e nos braços do povo é possível enriquecer a vida. E a música que o novo prefeito cantou ao encerrar sua fala no dia da posse é significativa: "Fé na vida; fé no homem, fé no que virá. Nós podemos tudo, nós podemos mais. Vamos fazer o que será". Que o novo governo municipal se fundamente na honra e amplie, na consistência da gestão, os limites da fé, se quiser governar com o povo e fazer história. Nas ondas do entusiasmo navegam o veleiro da confiança, a fragata do otimismo, a corveta do bem querer e a caravela da esperança. Seja o Poder Municipal, livre e soberano, o rebocador do bem comum. Deus e o povo de Irati sejam louvados.



José Maria Orreda


Publicado na edição 654, 16 de janeiro de 2013.