Unicentro entra em greve pela segunda vez no ano - Jornal Iratiin

Recente

Home Top Ad

Post Top Ad

sábado, 25 de abril de 2015

Unicentro entra em greve pela segunda vez no ano

Em assembleia realizada na tarde de quinta-feira, dia 23, ficou decidido pelos professores presentes, que pela segunda vez em 2015, a Unicentro passará por greve. Dessa vez, o único foco da reivindicação é acerca da Paranaprevidência, cujo  Projeto de Lei 252/2015, de autoria do governo do Estado, que propõe a reestruturação do Plano de Custeio e Financiamento do Regime Próprio de Previdência Social do Estado, está em tramitação na Assembleia Legislativa do Paraná e poderá ser votado na próxima semana.

@Raphael Gierez/Hoje Centro Sul
De acordo com o governo, o projeto tem como objetivo proteger o sistema previdenciário do Estado e equilibrar o caixa do Tesouro Estadual. O que se propõe é uma migração de 33 mil beneficiários com mais de 73 anos, do Fundo Financeiro para o Fundo Previdenciário, que está capitalizado em mais de R$ 8,5 bilhões em investimentos. Com isso, o caixa do Estado terá um alívio financeiro para novos investimentos em saúde, educação e segurança pública. Segundo informações oficiais, mesmo com a alteração, o Governo do Estado continuará arcando, mensalmente, com R$ 380 milhões para os benefícios de aposentados e pensionistas civis e militares.

Os professores da Unicentro e de outras instituições de ensino discordam do Projeto de Lei 252/2015.  “O governo desde o começo do Paranaprevidência [criada em 1998] não vem cumprindo o que foi combinado, que era a contribuição para o fundo, ou seja, todo o dinheiro que está lá é dos servidores, e agora ele quer tomar posse disso como se nada tivesse acontecido”, defende Glaucia Kronbauer, professora da Unicentro. Michele Fernandes, professora de pedagogia tem a mesma visão e acrescenta “essa decisão do governo não vai nos afetar agora, vai afetar quando nós e as futuras gerações quisermos nos aposentar e não ter o dinheiro arrecadado disponível”.  A greve vai ter início na segunda-feira, dia 27, e não tem data programada pelo término. A primeira ação dos grevistas será ir para Curitiba, pressionar os deputados na Assembleia Legislativa para que o Projeto de Lei 252/2015, não seja aprovado e seja retirado do regime de urgência. Após isso, vão tentar articular um novo projeto para o fundo previdenciário. Ações nas ruas centrais de Irati também devem fazer parte do cronograma dos professores em greve. “Os professores querem que a discussão sobre a previdência seja em longo prazo. Claro que o órgão precisa de reformas, mas não dá só para pensar no curto prazo como o governo quer, apenas para arrumar um problema que ele mesmo criou”, aponta  o professor do departamento de história Helio Sochodolak.

Além dos campi de Irati e Guarapuava, a Universidade Estadual de Maringá (UEM), a Universidade Estadual de Ponta Grossa(UEPG) e a Universidade Estadual do Oeste do Paraná(Unioeste) estão em greve. Segundo informações dos comandos de greve, todas essas instituições devem estar presentes em Curitiba na próxima semana. É esperado que a Universidade Estadual de Londrina (UEL) também ingresse no movimento.

Visão dos alunos
Apesar das dificuldades de calendário que surgem com as greves, parte dos alunos apóia o movimento. “Sabemos que vai complicar as aulas, com reposições em férias e esse tipo de coisa, mas é preciso pressionar o governador, se não entrar em greve fatalmente essa questão passará pelo legislativo e será mais uma derrota para o ensino público paranaense”, exclama o aluno João Henrique Santos, do curso de Psicologia.        

Lorena Rebesco é acadêmica do curso de Letras Português e se preocupa com o futuro da profissão. “O trabalho do professor já é desvalorizado e ações como essa reforçam a desvalorização, por isso apoio a greve, para que no futuro, eu que serei professora e outros tantos, sintam seus direitos respeitados”, explana.

Raphael Gierez/Hoje Centro Sul