Mulheres vivem a expectativa de serem mães pela primeira vez - Jornal Iratiin

Recente

Home Top Ad

Post Top Ad

domingo, 11 de maio de 2014

Mulheres vivem a expectativa de serem mães pela primeira vez

Franciely e Maria Caroline poderão ser parabenizadas no domingo pelo dia especial e relatam como se sentem

No Brasil, nascem aproximadamente 8.000 crianças por dia. E a cada nascimento uma nova mãe é agraciada. São mães de um único filho, de gêmeos, da quinta criança, do terceiro herdeiro, mas todas elas mães.

Cada uma dessas mulheres possui uma história de vida, uma família e um amor diferente para a criança que está gerando.
Segundo o psicólogo clínico, Daniel Nazar Kengerski , mãe é quem dá o amor, carinho e proteção à criança. “Ser mãe é estar no lugar de alguém que se coloca ao dispor da criança e que exerce uma função de cuidado da mesma”, comenta Daniel.

Primeiro Dia das Mães
Em Irati, há em média 60 cadastros de novas mães no pré-natal da Secretaria Municipal de Saúde por mês.  Muitas dessas mulheres são mães pela primeira vez e experimentam cada etapa da maternidade com alegria e satisfação.
Maria Caroline Laurindo Kinczel está no início do terceiro mês de gestação e conta que é uma sensação maravilhosa. “É um dom que Deus dá e ser mãe é maravilhoso, desde que a gente descobre que está grávida a gente já se sente mãe.” Maria Caroline é casada há um ano e oito meses e está muito feliz com a gravidez.

Franciely Kovalski vive a mesma situação de Maria Caroline, casada há um ano e meio será mãe pela primeira vez. Em agosto, nascerá um menino, mas Franciely sente-se mãe desde a gestação.
O sentimento que tem é um misto de emoções, uma “sensação indescritível, só de pensar que já há uma criança aqui dentro”, conta Franciely.

 Além dos sentimentos pessoais vivenciados pelas mães, a maternidade traz um novo sentido à vida de um casal. Com a chegada da criança, os pais passam a preocupar-se, além da vida conjugal, com o bem estar do filho. “O nascimento do primeiro filho traz para o casal uma série de mudanças, as quais já começam na gravidez. A nova mãe tem que se acostumar com as alterações em seu próprio corpo, seus hormônios, seus desejos, o que pode afetar a relação com seu parceiro. Por outro lado, esse pai também tem de se acostumar com suas novas responsabilidades, afetivas e financeiras, e muitas vezes deixar de lado alguns planos pessoais para assumir essa nova função”, avalia o psicólogo.
Neste domingo, Franciely e Maria Caroline terão uma sensação diferente ao vivenciar o Dia das Mães.

Acostumadas a parabenizar e presentear suas progenitoras, elas passarão a serem congratuladas com as felicitações de parentes e amigos.  “Um momento novo, porque antes a gente tava habituada a da presente para a mãe e domingo vai ser o primeiro Dia das Mães e é um sentimento totalmente novo, uma coisa nova e ao mesmo tempo maravilhosa o fato de poder geral uma vida e trazer uma pessoa ao mundo, não tem palavras para descrever o sentimento”, diz Fanciely.

“Esse primeiro Dia das Mães que eu vou passar vai ser bem especial, mesmo não tendo o filho nos braços, mas ele dentro da barriga, a gente já ama como se ele tivesse em nossos braços,” enfatiza Maria Caroline Laurindo. Ela e seu marido vivem uma grande expectativa para a chegada da criança. 
O sexo da criança poderá ser revelado daqui a aproximadamente um mês, mas até lá o casal vive em um jogo de apostas. O pai quer um garoto, mas a mãe não tem preferência.

A expectativa gerada pelas famílias é explicada psicologicamente. “O primeiro filho é sempre uma novidade, um 'desconhecido' a ser explorado, com todos os medos e questões que uma nova experiência traz. A partir da segunda gravidez, a mulher está mais consciente das mudanças que essa fase traz, o que pode tornar o cuidado do segundo filho mais protetor (no caso de uma primeira experiência difícil, por exemplo) ou mais 'solto'. Assim, o primeiro filho não necessariamente recebe mais cuidado, mas sem dúvida a experiência que ele proporciona para os pais é fundamental para construir a forma como eles vão cuidar dos próximos filhos,” explica o psicólogo Daniel Nazar.
Primeiro neto

A alegria na casa de Franciely e Maria Caroline será dobrada neste domingo. Suas mães passarão o primeiro Dia das Mães como avós. Na família de Franciely a expectativa é grande. “Para minha mãe, enquanto avó, a ansiedade está maior que a minha, também dos meus irmãos que estão sendo tios pela primeira vez, parece que o neném é deles”, conta Franciely. Na casa de Maria Caroline todo mundo está esperando o ‘bebezinho’. Apesar de possuir outros três irmãos, a mãe de Maria Caroline só será avó em novembro.

Por  Augusto Travensolli/Hoje Centro Sul