Política em questão - Jornal Iratiin

Recente

Home Top Ad

Post Top Ad

domingo, 20 de abril de 2014

Política em questão

Projetos

Foram aprovados pelos vereadores de Irati, em segunda votação, na sessão do dia 14 a subvenção de R$ 35.000,00 para a  SOS Amigo Bicho. Também, o projeto do vereador Rafael Lucas (PSB) que cria o “Banco do Livro” - um local que reuniria todas as doações de livros, para que organizar a destinação dos mesmos. Ainda em segunda votação foram aprovadas diversos  pedidos de abertura de crédito adicional especial.

Gabinete Móvel

O vereador Valdenei Cabral da Silva (PDT) utilizou a tribuna para elogiar a iniciativa do prefeito Odilon Burgath de levar o Gabinete Móvel  para a comunidade rural de Barra do Gavião. “Fiquei bastante feliz com este sistema do Executivo. Sou vereador pelo segundo mandato e nunca tive a oportunidade de estar junto com a comunidade e o prefeito, dividindo as responsabilidades”, disse Cabral. Ele citou que as principais reivindicações da comunidade ( e localidades vizinhas) foram: estradas, saúde e água potável.



@ Ciro Ivatiuk
Lideranças da oposição

A presença de líderes da oposição ao PT na sessão da Câmara Municipal da última segunda-feira (14) chamou a atenção. Estiveram presentes, por exemplo,  o ex-prefeito Rodrigo Hilgemberg  e o presidente do PSD, Maurício Panka (este apenas no início da sessão). Acredita-se que o que motivou a vinda deles foi a expectativa quanto às discussões relacionadas aos problemas na coleta de lixo.



Nota Fiscal Paranaense

A Secretaria de Estado da Fazenda do Paraná lança nesta quarta-feira (16) uma campanha para incentivar os cidadãos a exigir a emissão do documento fiscal no momento da compra de bens e serviços no mercado varejista.  A campanha denomina-se Nota Fiscal Paranaense, que  sorteará prêmios em dinheiro entre os participantes semanalmente, mensalmente e trimestralmente. Os sorteios correrão pela Loteria Federal, às quartas-feiras.

Renúncia não ocorreu

A notícia antecipada que André Vargas (PT) renunciaria à vaga de deputado federal não se confirmou. De acordo com informações divulgadas através das mídias estadual e nacional, uma corrente dentro do Congresso acredita que o parlamentar não poderia renunciar ao mandato enquanto corre o processo contra ele no Conselho de Ética. Outro entendimento crê que a Câmara poderia aceitar uma eventual renúncia, mas o processo no Conselho de Ética continuaria. Diante da indefinição, André Vargas estaria reavaliando o que fazer.