CÂMARA - Na Tribuna, a médica Larissa Mazepa ressalta a importância da doação de sangue - Jornal Iratiin

Recente

Home Top Ad

Post Top Ad

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

CÂMARA - Na Tribuna, a médica Larissa Mazepa ressalta a importância da doação de sangue

“Em Irati, 190 a 200 bolsas são transfundidas por mês e as excedentes seguem para as unidades que precisam de mais sangue; Mas, infelizmente, o nosso município é o que menos doa na região”, citou a médica Larissa Mazepa. Veja a seguir:


A Tribuna Popular da Sessão Ordinária do dia 21 de novembro da Câmara Municipal de Irati - PR foi utilizada pela médica responsável pela Unidade de Coleta e Transfusão de Sangue de Irati, Drª Larissa Mazepa, que discorreu sobre a importância da doação, visto que no dia 25 de novembro é comemorado o Dia Nacional do Doador Voluntário de Sangue.

A médica agradeceu ao vereador Marcelo Rodrigues (PP), 1º secretário da Câmara, pela indicação 120/2017, apresentada no dia 8 de maio deste ano, por meio da qual convidou representantes da unidade para comparecer na Casa de Leis, para trazer maiores explicações e orientações acerca da doação de sangue e sobre o trabalho da Unidade de Coleta e Transfusão de Sangue de Irati. “Este convite abriu um grande leque na sociedade”, afirmou a médica, contando que a rede do Hemepar compreende hemocentros e unidades de coletas de transfusão de toda a região. “Em Irati temos a coleta de bolsas de sangue e de medula óssea e transfusões, fazemos a distribuição dos hemocomponentes para os hospitais e serviços da cidade, incluindo as clínicas particulares. Somente neste ano, nos últimos três meses, em agosto tivemos 323 candidatos a doação. Destes, infelizmente somente 30 eram da população de Irati. Em setembro, tivemos 253 - 26% de Irati; em outubro 191 doadores - 24% de Irati. Tivemos uma média de 777 candidatos a doação com 735 bolsas favoráveis e 42 exclusões. Temos também uma média de 190 a 200 transfusões por mês. Mas, infelizmente Irati é o município que menos doa sangue para a unidade. Precisamos nos unir para mobilizar a população iratiense, a qual sabemos que possui grande coração. É através da doação e do amor que mais pessoas ganharão um sopro de vida”, destacou.

Larissa Mazepa citou as condições básicas para que o cidadão possa se tornar um doador. “Ter entre 18 e 69 anos, considerando que os menores de 16 anos acompanhados dos pais também podem doar; os doadores devem estar munidos de documentos com fotos; pesar acima de 50 quilos; não estar em jejum e sim bem alimentados, porém, no dia anterior da doação devem evitar alimentos gordurosos; dormir pelos menos seis horas diárias; não ingerir bebidas alcoólicas e os fumantes devem evitar fumar duas horas antes”, frisou Mazepa destacando também quem não pode doar sangue. “Ficam impedidos de doar quem já teve Hepatite B e C, Malária, Doença de Chagas, mulheres grávidas e em amamentação e comportamento sexual com múltiplos parceiros nos últimos 12 meses”, explicou.

Conforme a médica, após a doação, o sangue é enviado ao Hemocentro de Curitiba, onde é separado em diversos componentes, que são distribuídos pelos hospitais, atendendo pacientes internados, casos de emergência e doenças hematológicas, que tem grande percentual em Irati e região. “Quando o sangue está contaminado, detectado pelo Hemepar, o resultado é novamente encaminhado para que seja realizada coleta de segunda amostra. Realizada uma nova contagem, se apurado alguma doença, o doador é encaminhado para o setor de epidemiologia, onde receberá tratamento”, ressaltou Larissa afirmando que é de fundamental valor, que durante a entrevista do paciente, ele seja sincero nas respostas, pois o sangue será transfundido para outras pessoas.

Para fazer a doação, de acordo com Larissa Mazepa, é muito simples. “O paciente chega na Unidade, logo é realizado um cadastro, depois realiza-se uma triagem clínica e triagem hematológica para ver se o sangue não está com deficiência ou anemia, ou com ferro em excesso. Depois passa-se à doação, que dura em média de 5 a 12 minutos. Pouco tempo para um bem maior, que salva vidas. Em Irati, em torno de 190 a 200 bolsas são transfundidas por mês e as excedentes seguem para as unidades que precisam de mais sangue”, pontuou.

Dra. Larissa agradeceu à Câmara Municipal de Irati, que desde o início do ano vem fazendo doações. “Nós aumentamos significantemente o estoque este ano, conseguindo suprir a necessidade da unidade de Irati e da 4ª Regional de Saúde. Até o ano passado não conseguíamos, recorríamos sempre a outras cidades. Estamos conseguindo suprir também a rede Hemepar. Hoje temos 90% de cobertura total do Hemepar SUS. Agradeço primeiramente ao Diretor do Hemepar, Dr. Paulo Hatschbach, a chefe da 4ª Regional de Saúde de Irati, Jussara Kublinski, a chefe da Unidade de Coleta de Transfusão de Irati, Emilinha Zarpellon que está no comando há seis anos, aos componentes do banco de sangue, as técnicas de enfermagem, os bioquímicos e a todos os demais funcionários, que se dedicam inclusive fazendo coletas nos sábados”, agradeceu a médica contando que hoje a Unidade de Irati possui 20 empresas colaboradoras. “No próximo ano, faremos um grande evento e vamos certificar todas estas empresas”.

Referente ao dia 25, Dia Nacional do Doador Voluntário de Sangue, Mazepa afirmou que a Unidade de Irati estará aberta das 8 às 17 horas realizando coletas.

Os vereadores cumprimentaram a médica pelos importantes esclarecimentos. Roni Surek (PROS) elogiou o trabalho da equipe, o definindo como “um trabalho sagrado”. José Bodnar (PV) citou o período em que precisou de transfusão de sangue, fazendo um alerta para todas as pessoas. “Sei como é estar agoniado à espera de sangue, que significa vida”, lembrou. Valdenei Cabral da Silva (PDT) comentou sobre a Lei nº 3906/2014, de sua autoria, que dispõe sobre a isenção aos doadores de sangue do pagamento de taxa de inscrição em Concurso Público Municipal. 

O vereador Helio de Mello (PMDB), presidente da Câmara Municipal de Irati, agradeceu à médica pela explanação tão importante para conscientizar a população. “Grande parte das pessoas só lembra da bolsa de sangue quando tem parente na cama ou em um hospital. Sangue é vida. Esta casa é parceira e mais uma vez se coloca à disposição, para que aumentemos ainda mais o número de doadores por meio das escolas, imprensa, igrejas e do convívio diário. Através de pequenos gestos , podemos salvar muitas vidas”, frisou o parlamentar.

Antes de concluir, Larissa Mazepa agradeceu o espaço cedido mais uma vez pela Câmara. “Que através desta casa, possamos chegar no coração dos doadores”, concluiu, afirmando que o banco de sangue está aberto das 13 às 17 horas, todos os dias, realizando captação até as 15h30. “Vamos continuar fazendo o bem sem olhar a quem”, finalizou a médica.


Texto e foto:
Assessoria
Câmara Municipal de Irati - PR