Rebouças: Vereadores questionam indícios de superfaturamento - Jornal Iratiin

Recente

Home Top Ad

Post Top Ad

segunda-feira, 15 de junho de 2015

Rebouças: Vereadores questionam indícios de superfaturamento


Na 16ª sessão da Câmara de Rebouças, que aconteceu no dia 2 de junho, o presidente da Câmara Ricardo Carlos Hirt Junior e o vereador Laércio Cipriano pediram esclarecimentos sobre a compra de um veículo Kangoo para a Secretaria Municipal de Saúde. Segundo eles, há indícios de superfaturamento.

O vereador Laércio Cipriano explica que o veículo teria sido adquirido com recursos do Ministério da Saúde, entregues ao município em dezembro de 2012, para a aquisição de uma ambulância. “Parece que o dinheiro ficou parado até esse ano e, só então, a prefeitura comprou o veículo. O Kangoo não tem espaço suficiente, não cabe nem um adulto deitado e, como ambulância, não está sendo muito utilizado. Além do preço exorbitante, a ambulância que, de fato, era pra ser comprada, não foi”, afirma.

Segundo o secretário de Saúde de Rebouças, Jaciel Molinari, em reportagem publicada no site da própria Prefeitura, o veículo foi adquirido pelo valor de R$67.500,00, quando, na época, tinha uma média de preço de R$38 mil. Hoje, um modelo mais novo, no site da empresa fabricante, custa cerca de R$43 mil. “Ouvimos essa denúncia em jornais aqui de Rebouças e queremos esclarecimentos. Eles alegam que o veículo precisou ser adaptado, mas até onde investigamos, esse serviço não passa de R$5 mil. Queremos os documentos pra analisar se tudo está certo. Afinal, esse é o trabalho do vereador: fiscalizar e levantar dúvidas quando elas existem. Somos pagos para isso”, diz o presidente da Câmara Ricardo Carlos Hirt Junior. A Prefeitura de Rebouças tem 15 dias para apresentar a documentação da compra.

Mais esclarecimentos
Durante a 16ª sessão da Câmara de Rebouças, os vereadores também pediram informações sobre uma empresa que terceirizava funcionários para o município. Segundo Laércio, após o cancelamento do contrato, alguns servidores entraram na justiça contra a empresa. “Queremos saber se esses funcionários receberam tudo o que deveriam ter recebido ou se houve algum problema. Já sabemos que a contratação dessa empresa foi um péssimo negócio e deu prejuízo para Rebouças. Agora, queremos saber se houve algum tipo de irregularidade no final do contrato”, finaliza.


Texto: Kyene Becker/Hoje Centro Sul

Fotos: Silmara Andrade/ Hoje Centro Sul
Laercio Cipriano
Foto: Arquivo/Hoje Centro Sul

Ricardo Hirt
Foto: Arquivo/Hoje Centro Sul


Claudemir Herthel
Foto: Arquivo/Hoje Centro Sul