Moageira amplia negócios em Irati e investimentos chegarão a R$ 80 milhões - Jornal Iratiin

Recente

Home Top Ad

Post Top Ad

domingo, 14 de junho de 2015

Moageira amplia negócios em Irati e investimentos chegarão a R$ 80 milhões

Foto: Secom PMI


Na última sexta-feira (05), a empresa S/A Moageira e Agrícola, anunciou investimentos na ampliação de seus negócios no município de Irati. Em reunião com o prefeito Odilon Burgath e o secretário de Desenvolvimento Econômico, Estanislau Fillus, o diretor da Moageira Irati, Marcelo Vosnika, relatou que ocorrerá a construção de outra unidade voltada à fabricação de ração, junto ao empreendimento da Moageira nas margens da BR 277, o que dará início a um novo distrito industrial. Os investimentos atuais são da ordem de R$ 20 milhões, mas o valor total do projeto de expansão da empresa, que teve início em 2010 e deverá ser finalizado em 2020,  chega a R$ 80 milhões.

Em 2014, a Moageira Irati faturou R$140 milhões, sendo que pelo menos R$110 milhões são injetados na economia da região. A empresa recebe matéria prima de 1.700 produtores dos 16 municípios da região.
Marcelo Vosnika enfatiza que o objetivo da empresa é receber e industrializar os produtos da região de Irati. “Esta é a diferença da Moageira frente a outros armazéns que tem base na região, enquanto os outros recebem o produto e encaminham para Ponta Grossa, por exemplo, nós somos a única agroindústria que efetivamente industrializa aqui. Hoje, 90% da matéria-prima vem da região e é comercializada fora”, afirma.
O  prefeito municipal enfatiza que a empresa contribui de forma significativa  com a economia iratiense e comenta os novos investimentos a serem realizados. “A Moageira Irati tem um grande compromisso com a nossa região, são investimentos importantes que essa empresa tão sólida está anunciando”, afirma Burgath.

Desde sua fundação, em 1949, a Moageira Irati tem feito diversos investimentos que beneficiam toda a população, desde o produtor até o consumidor. Em 2010, a empresa começou a construção da nova unidade na BR-277, em uma área de 200 mil m².
“Nosso objetivo é mudar toda a nossa estrutura para a nova unidade, quando todo o parque industrial estiver concluído, nós contabilizamos aproximadamente R$ 80 milhões em investimento”, explica Vosnika.
O plano diretor para construção da nova unidade passa por quatro etapas até a sua finalização. A montagem da fábrica de pré-mistura está concluída desde 2012. Também já houve a fase de construção da unidade de silos. A fase de mudança do moinho  está em andamento e será seguida pela construção da fábrica de ração.


“A fábrica de ração com certeza será um grande investimento, porque hoje o município importa rações de outros municípios”, comenta o secretário de Desenvolvimento Econômico de Irati, Estanislau Fillus.
Segundo o diretor executivo da Moageira Irati, Dante Jacob, a fábrica de pré-mistura passou por ampliação na área de armazenagem, em um total de R$500 mil investidos. “O plano diretor também prevê a interligação dessas áreas, sendo que nessas primeiras fases o investimento chega a R$7 milhões e a previsão de conclusão das obras dessa primeira fase está prevista para dezembro, com start up já em janeiro”, explica.

Tradição
A Moageira Irati é uma das empresas mais tradicionais do Paraná, produzindo farinha de trigo de muitas marcas nacionais consagradas de massas e biscoitos como Renata, Galo, Pepsico, Nestle , Kraft, Seara, Sadia, entre outras.
Na última década, obedecendo a um rigoroso plano estratégico de crescimento, a empresa dobrou a sua capacidade de produção, saltando de 43 mil toneladas para 86 mil toneladas/ano.
Até meados da década de 90, a Moageira comprava o trigo em grão da Argentina e vendia a farinha no Rio de Janeiro. Desde 1995, o empreendimento é tocado pelos descendentes dos fundadores, os irmãos Marcelo, Roberto e Marcos Vosnika. Com a nova administração, a política mudou. A empresa passou a estimular o plantio de trigo num raio de 150 quilômetros distante de Irati, mudando o perfil do fornecimento da matéria-prima. Isso viabilizou a triticultura na região e deu uma nova opção para os agricultores dos Campos Gerais.
“Logo que a gente entrou aqui em 1995, começamos um programa de integração com os produtores da região, na época não tinha mais produção de trigo aqui, e aí para viabilizar o moinho nós começamos a fomentar a produção para ter a matéria prima perto da unidade”, conta Vosnika.

Novos produtos
Inicialmente, a Moageira Irati foi uma empresa voltada para farinhas industriais. “O nosso plano diretor era para atender grandes clientes, então nós desenvolvemos nossa produção para os clientes mais exigentes do mercado”, relata Jacob.
Nos últimos três anos, a Moageira Irati passou a investir em novos produtos para atender o consumidor da região. “Hoje nas panificadoras de Irati você encontra uma farinha específica para panificação que é produzida pela Moageira. Em uma gôndola de supermercado o consumidor também pode encontrar uma farinha especificamente da região dele”, comenta Ivo Chaves, gerente comercial.
Segundo Ivo, novos produtos estão sendo lançados para o varejo. “Nosso próximo lançamento é a Farinha Irati Premium, que é uma farinha específica, voltada a fabricação de massas frescas”, conta.

Qualidade internacional
Para desenvolver produtos voltados aos clientes dessa ordem, a Moageira Irati passou por vários processos de adequações que visam melhorar a qualidade. A empresa possui certificação da Nestlé e no final de 2014, passou a ter a certificação FSSC 22000. Apenas seis moinhos no Brasil possuem essa certificação.
A FSSC 22000 é uma certificação completa com base na ISO 22000, o sistema de segurança internacional, combinada com as especificações técnicas (PAS 222, ISO/TS 22002-4 e ISO/TS 22002-1) e requisitos adicionais para o (GFSI - Global Food Safety Initiative). O FSSC 22000 foi projetado para promover a harmonização internacional e transparência nos padrões de segurança de alimentos.

“Para chegarmos até aqui foram feitos muitos investimentos, e essa é uma grande virtude da Moageira, pois os investimentos não foram feitos apenas para crescer em volume, mas também crescer em qualidade”, afirma Dante.

Da Redação/ Hoje Centro Sul