PM alerta sobre repasse de notas falsas na região - Jornal Iratiin

Recente

Home Top Ad

Post Top Ad

sábado, 16 de maio de 2015

PM alerta sobre repasse de notas falsas na região

A 8ª Companhia Independente da Polícia Militar de Irati alerta a população para o repasse de notas falsas que tem acontecido no município e na região. Só nesses primeiros meses de 2015, seis casos já foram registrados, cinco deles em Irati e um em Ivaí. O mais recente aconteceu durante as festividades no feriado de 1º de maio. Às 16h16min a equipe policial se deslocou até a Rua Vitória Monte Castelo, Bairro Fósforo, onde o relatante procurou a equipe policial e informou que seu colega de trabalho pediu para que ele fosse comprar uma bebida nas bancas da festa, dando-lhe como moeda uma cédula de R$100,00. Ao repassar a cédula ao vendedor, este identificou a mesma como sendo falsa. De imediato o solicitante procurou a autoridade policial para dar atendimento ao caso. No local a equipe constatou o fato, abordou o autor e encaminhou as partes para a 41ª Delegacia de Polícia Civil para os procedimentos de polícia judiciária.


Divulgação
O repasse de moeda falsa é considerado Crime Federal, a pessoa que comete esse tipo de delito é encaminhada até a delegacia para prestar depoimento, em seguida é aberto um processo junto a Polícia Federal de Ponta Grossa. “Em casos de quantias menores a pessoa é encaminhada até a delegacia da cidade, mas quando a quantia de dinheiro é grande, nós fazemos o encaminhamento de imediato para a Polícia Federal de Ponta Grossa, que é o órgão ao qual respondemos aqui”, explica o Tenente Ederson Crevelin, da 8ª Cia da PM de Irati.

O caso mais grave registrado até o momento foi o do dia 31 de março, quando um homem recebeu R$1.300,00 em notas falsas. A pena para quem fabrica cédulas falsas varia de 3 a 12 anos, já quem repassa as notas pode passar de 6 meses a 2 anos na prisão. “É importante frisar para as pessoas não repassarem a nota falsa, porque senão vão estar incididos no crime da mesma forma que a pessoa que repassou a nota para elas. A partir do momento em que se identifica a nota falsa, a pessoa deve procurar a Delegacia ou acionar a Polícia Militar caso consiga segurar a pessoa que deu a nota para ela”, finaliza o Tenente Ederson.

Teste
A equipe do Hoje Centro Sul visitou alguns estabelecimentos comerciais para ver se os funcionários reconhecem as notas falsas. Com uma nota falsificada de R$100,00 e consentimento da PM de Irati, apresentamos a nota pedindo para que a pessoa verificasse se ela era verdadeira ou falsa.

Muitas dúvidas surgiram, alguns funcionários chamavam mais de um colega para ajudar na verificação. Apenas Suelen Marcello, fiscal de caixa de supermercado, conseguiu ver que a nota era falsa sem nenhuma ajuda e quase de imediato. “Eu trabalho no comércio há quase 15 anos, então já sei lidar com isso. Mas já aconteceu de passar moeda falsa, pois eram muito parecidas com as originais, só soubemos que era falsa porque o banco rejeitou na hora do depósito”, explica. A fiscal ainda conta que a empresa faz treinamento com as operadoras de caixa. “Sempre estamos pegando moças novas, muitas vezes que estão entrando no primeiro emprego, por isso fazemos testes para ver se elas conseguem identificar notas falsificadas. Além disso, ensinamos como se portar quando pegar uma nota dessas, pois muitas vezes o cliente nem sabe que está passando uma nota que é falsa”, diz.
Danieli Fillus, operadora de caixa, também conseguiu identificar a nota falsa com a ajuda das canetas especiais. “Nós temos a caneta que rasga notas falsas e a com lanterna de luz ultravioleta, hoje em dia não dá para facilitar, uma vez nós acabamos pegando uma nota de R$50,00”, conta.

Ainda que falsa, a cédula engana. Em dois estabelecimentos as operadoras de caixa ficaram em dúvida, mas disseram que aceitariam a nota. “É muito difícil saber, nós já pegamos uma nota de R$2,00 que era falsa e a caneta estava com problema e não apontou. Essa, por exemplo, para mim tem todas as marcas que a gente aprende a identificar”, afirmou uma das operadoras de caixa.

Ana Paula Schreider/Hoje Centro Sul