Moradores de Mallet reclamam da precariedade do saneamento básico - Jornal Iratiin

Recente

Home Top Ad

Post Top Ad

sábado, 16 de maio de 2015

Moradores de Mallet reclamam da precariedade do saneamento básico

Reprodução
Com pouco mais de 13 mil habitantes, o município de Mallet tem apenas 19,61% da área urbana atendida com rede coletora de esgoto. Segundo a Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar), Mallet possui a menor cobertura de esgoto se comparada a outros municípios da região.
A Sanepar, em parceria com a Prefeitura Municipal de Mallet está realizando a ampliação da rede, mas a preocupação dos moradores é com a estação de tratamento.

Na localidade Irmã Dulce, moradores têm sofrido com o mau cheiro na estação de tratamento de esgoto. O vereador Nivaldo Blocki encaminhou um requerimento ao escritório da Sanepar em Mallet para que a população seja informada dos motivos de haver galerias abertas na estação e do lançamento de alguns resíduos no rio.

Nivaldo já havia feito um requerimento no início de seu mandato, em 2013, mas não foi atendido. Por isso, em seu pronunciamento na Câmara solicitou que árvores sejam plantadas em volta do local para que o cheiro não chegue diretamente às casas. “Não é a solução desejada, mas pelo menos ameniza o fedor que se espalha pelas residências”, afirma o vereador.

Hipólito Pires Machado, eletricista, reside na primeira casa depois da estação e afirma que a situação está insuportável e que muitos moradores já pensaram em sair do local. “O esgoto chega a céu aberto e são dejetos que não foram tratados ainda, quando venta para o nosso lado o mau cheiro é bem forte. Já conversamos com as autoridades e, segundo o prefeito [Rogério da Silva Almeida], os moradores precisam fazer um abaixo assinado para que alguma coisa aconteça”, diz o morador.
Hipólito ainda questiona que fazer uma melhoria no local não requer muitos esforços. “É só fechar de um jeito que o mau cheiro não chegue às casas, se precisam que tenha uma abertura, que seja feita uma chaminé ou algo assim, para que esse gás fedido que sai não atinja diretamente os moradores”, afirma.

Nivaldo explica que os moradores solicitam que a canaleta onde o esgoto passa antes do tratamento seja tampada. O vereador acompanhou uma visita técnica até a estação e questionou sobre o esgoto a céu aberto. “Segundo os técnicos da Sanepar, é assim mesmo que tem ser, mas eu já visitei outras estações e nunca vi o esgoto saindo assim, sem nenhuma proteção”, diz.

Sanepar
Segundo a Sanepar, infelizmente as estações de tratamento de esgoto sempre tem mau cheiro.
O gerente da Unidade Regional da Sanepar de União da Vitória, Bolivar Luiz Menoncin Junior, explica que recentemente a estação de tratamento de esgoto de Mallet passou por um ato de vandalismo. “Foram quebradas janelas do laboratório e o pedestal que filtra o gás, talvez por esse motivo o cheiro esteja mais forte, mas até o requerimento do vereador, nós não tínhamos nenhuma reclamação sobre a estação”, afirma. Entretanto, o mau cheiro, segundo os moradores, vem da água que desce para o tratamento e passa por um caminho que fica a céu aberto.

Sobre a cortina verde com a plantação de árvores, Bolivar explica que é impossível realizar o trabalho, porque o espaço no local é muito pequeno. “Os pinus que existem lá cresceram por invasão, o que podemos fazer e vamos providenciar é uma cerca viva para fechar a tela de proteção”, afirma.

Projetos
A Prefeitura Municipal de Mallet reconhece que o saneamento básico do município está muito abaixo do esperado, mas afirma que obras estão sendo realizadas para melhorar a qualidade de vida dos habitantes.

Segundo o secretário de Planejamento, João Marcos de Andrade, a gestão está tentando acertar a situação precária do município. “Nós estamos ampliando em 100% a rede esgotamento sanitário que era de aproximadamente 9.600 metros e passa a 20 mil metros de rede atendendo mais 500 residências”.

 Segundo ele, um projeto para ampliação de mais 10 mil metros também está sendo elaborado. “Está em andamento o Plano de Saneamento do nosso município, para que as ações sejam distribuídas em uma média de seis anos”, afirma João Marcos.

A ampliação da rede de esgoto também preocupa os moradores da localidade Irmã Dulce. “Se com a quantidade de esgoto que já tem o cheiro é insuportável, imagina quando a quantidade dobrar ou triplicar, só nos resta esperar um parecer da Sanepar”, conclui o vereador Nivaldo Blocki.

 Ana Paula Schreider/Hoje Centro Sul