Copa do Mundo desperta paixões do brasileiro - Jornal Iratiin

Recente

Home Top Ad

Post Top Ad

sábado, 14 de junho de 2014

Copa do Mundo desperta paixões do brasileiro


Sentimento de nacionalismo pode ser explicado pelo sucesso do Brasil no futebol e também pela forte propagação da mídia pelo esporte

A Copa do Mundo começa nesta quinta-feira (12). Os olhos de todas as nações se voltarão para o maior evento do futebol mundial. E torcedores do mundo todo se preparam cada um na sua maneira e superstição para assistir os jogos de seu país. No Brasil, a Copa do Mundo sempre motivou o nacionalismo. A Copa é talvez um dos únicos momentos em que os quatro cantos do país se juntam cantando o coro ‘Eu sou brasileiro, com muito orgulho, com muito amor’.

Augusto Travensolli/Hoje CentroSul
Esse nacionalismo pode ser explicado historicamente, pois o Brasil não tem em seu histórico um herói que represente a nação, ou um histórico de guerras em que o país todo se unisse por uma causa. A força da camisa verde e amarela nos eventos também tem representatividade, pois o Brasil é um país vencedor, com cinco títulos conquistados e nunca deixou de participar de uma Copa do Mundo, portanto é satisfatório torcer por uma equipe vencedora. 
O professor do departamento de história da Unicentro João Carlos Corso explica como esse cenário de identificação nacional foi construído. “Tem toda a relação do futebol com o rádio. O que se pode explicar é que desde quando o rádio começou a ser expandido, os jogos passaram a ser transmitidos ao vivo e as pessoas escutavam, portanto, o rádio foi um dos formadores desse processo. E a partir da década de 70 a televisão teve um grande papel nessa formação e nessa construção de nacionalidade”, explica Corso.

No Brasil, o rádio e o futebol têm histórias semelhantes. No início dos anos 30, quando foi realizada a primeira transmissão de um jogo de futebol em tempo real, o rádio e o esporte ainda eram principiantes. Em 1938, pela primeira vez um evento esportivo parou todo o Brasil na transmissão de rádio. O locutor Gagliano Neto, narrou os cinco jogos da seleção brasileira, na terceira Copa do Mundo. O país terminou em terceiro na competição realizada na França, perdendo para a Itália na semifinal e ganhando da Suécia na disputa pela terceira colocação.

Com o passar dos anos, rádio e futebol foram se profissionalizando. A década de 40 passou pela chamada ‘Década de Ouro’ do rádio, por ser a primeira mídia eletrônica do país. Na programação radiofônica existiam radionovelas, jornais, programas de auditório, concursos musicais, variedades, programas de humor e claro o esporte. 

Vinte anos após a conquista do terceiro lugar na França, a Seleção Brasileira conquista em 1958, o seu primeiro título mundial. Na competição estreava um garoto de 17 anos chamado Edson Arantes do Nascimento, o Pelé, que depois foi consagrado como o “Rei do Futebol”. Já na Copa do Mundo seguinte, em 1962, o Brasil conquistou o bicampeonato, mostrando que o título de quatro anos antes não foi por acaso. E em 1970, a equipe brasileira conquistou o terceiro título da Copa do Mundo.

Futebol e política
A relação entre as duas esferas pode não acontecer diretamente, mas a ligação acontece, como por exemplo, quando durante o período militar, os governantes usavam como grande propaganda o título da seleção conquistado em 70. “Os militares se aproveitaram da situação do tricampeonato brasileiro como meio de propaganda para dizer ‘Olha o Brasil vai bem, estamos no caminho certo”, conta Corso.

Corso ainda comenta que apesar dos protestos que ocorrem contra a copa no país, nenhum governante seria capaz de recusar a Copa do Mundo. E que algumas manifestações podem ter relação político-partidária.

Copa do mundo de 2014: o Brasil entre paixões e manifestações

Professores de educação física da Unicentro realizaram na quinta-feira (05) uma aula coletiva, com o objetivo de promover o debate sobre a situação do país em relação a sediar o evento, as contradições, ganhos e perdas, ódios, paixões etc.

O Brasil é o único país pentacampeão mundial e nos apropriamos disso como discurso na hora de falar que somos brasileiros. “Pensar na perspectiva em que o futebol tornou-se o esporte mais conhecido e divulgado do mundo. Eu acho que isso tem relação com os títulos ganhos pelo Brasil. E também pela questão em que nós do Brasil nunca tivemos grandes processos de transformações sociais em que algumas lideranças aparecessem como grandes heróis, então nossos heróis foram criados, inventados e mal inventados,” explica o professor de história João Carlos Corso.

O sentimento nacionalista é mais forte principalmente na Copa do Mundo, onde todos se unem por uma única razão e uma única torcida. O professor do departamento de educação física Erivelton Fontana comenta o assunto. “Toda copa tem uma mobilização patriótica, a gente coloca aquela coisa da pátria com chuteira. Acredito que em países que tiveram guerra, isso não é tanto, porque eles guerrearam, o país simboliza outras coisas, acho que em alguns outros países isso não é tão marcado assim. Nós temos esse sentimento nacionalista, talvez somente na Copa do Mundo”, analisa Erivelton.

Outro fator que foi discutido na aula coletiva é o fato de que as manifestações por saúde e educação devem ser feitas na base, todos os dias e não na véspera de um grande evento. “Outra coisa é discutir a educação, saúde, porque essa é uma discussão que tem que ser cotidiana, aí fica muito pontual, fica muito caroneiro,” explica o professor do departamento de Educação Física da Unicentro Gilmar de Carvalho Cruz.

A Copa em Irati

Diferentemente de outras copas do mundo, as vendas de artigos para o mundial estão menores. Vendedores das lojas que comercializam os produtos contam que apesar de oferecerem os produtos para a Copa há algum tempo, a procura maior é por parte das lojas e restaurantes, que compram bandeiras e adesivos para decorarem seus estabelecimentos. Samuel Nogueira Soares Junior, proprietário de uma loja de artigos e presentes, conta que devido à baixa procura, cancelou alguns investimentos para o mundial. “A gente espera que mais em cima da hora o pessoal procure mais, porque no final das contas as pessoas não vão querer assistir o jogo sem uma camisa do Brasil, por exemplo,” finaliza Samuel.

Por Augusto Travensolli/Hoje CentroSul