BR-153 entre Rebouças e Rio Azul deve ser liberada na quarta-feira, 25 - Jornal Iratiin

Recente

Home Top Ad

Post Top Ad

segunda-feira, 23 de junho de 2014

BR-153 entre Rebouças e Rio Azul deve ser liberada na quarta-feira, 25


Obra na cabeceira sobre o Rio Potinga deverá ser concluída nesta terça-feira, 25, segundo informações do Consórcio responsável pela conservação da rodovia

O tráfego de veículos deve ser liberado na quarta-feira, 25, na BR-153 entre os municípios de Rebouças e Rio Azul. A previsão é do funcionário do Consórcio CCM/OS, Márcio Pires, que é responsável pela obra na cabeceira sobre o Rio Potinga. 
Já as obras de recuperação funcional e estrutural do pavimento compreendem a sinalização e drenagem em todo o lote, serviço de manutenção de pista e acostamento, conservação da faixa de domínio, reforço e recuperação de obras de arte especiais, além de pequenas adequações em trevos e terceiras faixas quando inferiores a 10% do valor global da obra.
Devido aos danos causados pelas chuvas ocorridas entre os 5 e 8 de junho, a rodovia precisou ser interditada por tempo indeterminado na altura do km 353 da rodovia na quarta-feira, 18. Desde então vários condutores estão utilizando a estrada rural da localidade de Saltinho, no interior de Rebouças, como rota alternativa para se deslocar até Irati.

Em entrevista à reportagem da Najuá, Márcio comentou que as máquinas e operários irão intensificar os trabalhos hoje, 23, e amanhã, 24, para que os reparos sobre a ponte do Rio Potinga sejam concluídos o mais breve possível. “Estamos no processo de conclusão da obra. Eu acredito que até quarta-feira já esteja passando o trânsito por aqui. Começamos no feriado e se correr tudo bem estaremos liberando nas duas pistas na quarta-feira, 25”, comentou Márcio.



Ele explica que o Consórcio licitado pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) para providenciar melhorias na BR-153 no trecho de 113 km entre Imbituva e Paulo Frontin precisou remover alguns materiais da cabeceira da ponte. “A gente fez a remoção de um material não muito apropriado que foi colocado e veio a dar problema. Fizemos a remoção desse material e preenchemos as margens da ponte com rocha e pedra. Primeiro colocamos pedras detonada e estamos concluindo a base”, relata.

Ainda segundo Márcio, uma nova vistoria deverá ser feita assim que a obra na cabeceira da ponte seja concluída. Somente a partir dessa avaliação é que a BR-153 será liberada entre Rebouças e Rio Azul. “Estamos realizando obras em um lado da ponte, mas devemos avaliar se não nenhum comprometimento da cabeceira do outro lado”, ressalta Márcio. De acordo com ele, a ideia é identificar eventuais problemas nesse momento e evitar que a rodovia seja novamente interditada no futuro.

Obras em Imbituva e Rio Azul

Pela segunda vez a BR-153 precisou ser interditada somente nesse mês entre Rio Azul e Rebouças. A rodovia permaneceu interditada também sobre a ponte do Rio Potinga entre os dias 8 e 11 de junho devido ao acumulo de água sobre a pista.

Márcio afirma que já foram providenciados reparos em outros trechos da BR-153 que estavam com o pavimento deteriorado. Um dos locais que recebeu melhorias foi o trecho entre Rio Azul e Mallet, onde ocorreu um desmoronamento que comprometeu parte da pista entre o km 372 e 373 na localidade de Cerro Azul.

Na semana passada também foi liberado o tráfego entre Imbituva e Irati, por meio de um desvio provisório. Parte do asfalto da BR-153 entre Irati e Imbituva não resistiu às chuvas e cedeu abrindo uma enorme cratera na pista impedindo a passagem dos motoristas. 

Obras na BR-153

O Consórcio CCM/OS foi licitado pelo DNIT e recebeu a ordem de serviço em março para providenciar melhorias na BR-153 entre Imbituva e Paulo Frontin. Os trabalhos estão concentrados entre os km 294,8 e 408, totalizando 113,2 km. O contrato é válido por cinco anos e faz parte do CREMA 2 (Contratos de Restauração e Manutenção da Malha Rodoviária Federal). No total, serão investidos R$ 174 milhões. O Consórcio CCM/OS deverá realizar a pavimentação asfáltica da rodovia nos dois primeiros anos de execução do projeto. Nos três anos seguintes, a empresa segue com a manutenção, dos serviços que ela mesma executou. 


Texto e fotos: Rodrigo Zub / Najuá